Tratak “Agora Eu Sou O Silêncio” (2012)

Publicado: 4 de novembro de 2012 em Alternative Rock, Bossa Nova, Experimental
Tags:,

1.Irrealidades Vãs05:03
2.Querida04:05
3.De todo mal a solução03:35
4.Indispensável03:07
5.Esqueça05:03
6.Orquídeas03:14
7.Apenas rotina05:54
8.O bosque05:12
9.Em casa04:28
10.Cantar só por cantar03:41
11.Agora eu sou o silêncio05:41

Download 

Por Elson Barbosa

Segundo a Wikipedia, “tratak” é um termo em sânscrito, que significa lágrima. Difundido também como técnica de meditação, compreende em fixar o olhar em algum objeto sem piscar, favorecendo a prática.

Já na música, Tratak é um “projeto coletivo de um homem só”. Idealizado em 2010 pelo músico catarinense Matheus Barsotti, Tratak é um projeto sem formação fixa.
Baterista por formação, Matheus passou por bandas como Margot, Alfajor, Labirinto e Stella-Viva, até encontrar no violão e voz novos instrumentos de expressão.
Das dezenas de ideias esparsas gravadas no celular, onze tomaram forma com o envolvimento do arranjador baiano Heitor Dantas (Baby Lixo) e do músico catarinense, radicado em São Paulo, Fernando Rischbieter (Stella-Viva).

Com produção e arranjos do próprio trio Tratak, gravado por Yury Kalil no estúdio Totem (Cidadão Instigado, Siba, Thiago Pethit), mixado por Sergio Soffiatti (estúdio O Grito) e masterizado por Gustavo Lenza (YB Estúdios), Agora Eu Sou O Silêncio tem como melhor definição uma brincadeira do próprio autor – é um disco de “axé fúnebre”.

Com base na MPB mas com cores experimentais, tem referências que vão desde o samba de Cartola e a poesia de Fernando Pessoa até as dissonâncias do Radiohead e o experimentalismo ácido do Mars Volta – referências que muitas vezes aparecem em uma mesma música.

À primeira vista o clima é de festa, mas a mensagem é sombria. A leitura mais atenta entrega – Agora Eu Sou O Silêncio é um trabalho conceitual sobre morte. Da desilusão de “Irrealidades Vãs” e “Querida”, passando pelo ápice fundo-de-poço com pitadas de insanidade de “Orquídeas” e “Apenas Rotina”, até a faixa-título – não por acaso a última do disco –, Agora Eu Sou O Silêncio é uma espiral descendente, finalizando uma sincera despedida. A história parece pesada, mas basta um replay para afastar o tom sombrio. E começar a descida novamente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s