Arquivo de abril, 2013

artworks-000046324446-i36m4e-t500x500

01. About a Boy 2.38

Soundcloud / Facebook

Por Al Schenkel

Enquanto finalizam o sucessor do ótimo disco de estréia, o EP Molly Gun, lançado em maio de 2012, Katty Winne traz a tona uma amostra do que será o primeiro full-lenght da banda através do single About a Boy, canção que estará presente em Shadows Of The Moon, disco de 11 faixas previsto para o final de 2013.

Em About a Boy, as influências grunges e noventistas são exaltadas a potência máxima, nos remetendo diretamente a uma fusão entre L7, The Breeders, Nirvana e Smashing Pumpkins, ou seja, guitarras altamente distorcidas e microfonias dando um contraste forte a a toda a estrutura melódica da canção e as belas linhas vocais de Winne.

Um esporro sonoro da melhor qualidade pra deixar-nos torcendo para que 2013 passe voando e nos brinde logo com Shadows Of The Moon. 

Anúncios

81j7wGLUJML._AA1500_

Disc One

01.The Jam – In The City 2:12
02.Buzzcocks – What Do I Get? 2:49
03.Generation X  – Youth Youth Youth 3:48
04.The Stranglers – No More Heroes 3:11
05.The Adverts– Gary Gilmour’s Eyes 2:15
06.The Slits – Love And Romance 2:24
07.XTC – Science Friction 3:20
08.Dr. Feelgood – She’s A Wind Up 1:56
09.Tom Robinson Band – Don’t Take No For An Answer 4:00
10.Ian Dury & The Blockheads – Sex, Drugs & Rock ‘N’ Roll 4:05
11.Adam & The Ants – Deutscher Girls 2:36
12.Siouxsie & The Banshees – Hong Kong Garden 2:40
13.The Only Ones – Another Girl Another Planet 2:56
14.The Undertones – Get Over You 2:55
15.The Rezillos – Top Of The Pops 3:06
16.The Flys – Love And A Molotov Cocktail 2:41
17.The Members – Sound Of The Suburbs 3:46
18.Stiff Little Fingers – Alternate Ulster 2:51
19.Skids – The Saints Are Coming 3:14
20.The Angelic Upstarts – We Are The People 3:57
21.The Ruts – S.U.S. 3:15
22.999 – Homocide 4:08
23.John Cooper-Clarke – Reader’s Wives 2:08

Download

Disc Two

01.Penetration – Movement 3:05
02.Monochrome Set – Goodbye Joe/Strange Boutique 5:06
03.Wire – The Other Window (Original Version) 2:19
04.Magazine – Light Pours Out Of Me 4:17
05.Joy Division – Transmission 3:54
06.Killing Joke – Wardance 3:44
07.The Human League – Being Boiled 4:21
08.Orchestral Manoeuvres In The Dark – Messages 4:07
09.The Psychedelic Furs – Sister Europe 5:08
10.Simple Minds – Premonition 5:32
11.Public Image Limited – Poptones 4:31
12.Steel Pulse – Jah Pickney (Rock Against Racism) 3:40
13.Aswad – It’s Not Our Wish 3:43
14.UB40 – Food For Thought 4:47
15.The Special A.K.A – Gangsters 3:00
16.Madness – The Prince 2:33
17.The Selecter – Street Feeling 3:16
18.The Beat – Ranking Full Stop 3:03

Download

As famosas Peel Sessions, gravações de artistas ao vivo no programa do DJ inglês John Peel na BBC, ganharam em 2011 uma coleção dedicada a um dos períodos mais criativos e interessantes da música pop.

“Movement – BBC Radio 1 Peel Sessions 1977 – 1979″ faz em 41 faixas uma espécie de registro da diversidade e importância do programa em um momento em que a música britânica fervilhava. A seleção tem nomes –então novos– do punk, pós-punk, reggae, ska e veteranos do pub rock em apresentações exclusivas nos estúdios da BBC para o programa de Peel.

The Jam, Buzzcocks, Siouxsie and The Banshees, Stiff Little Fingers, Joy Division, Simple Minds, Public Image Limited, Steel Pulse, Madness e Human League são apenas alguns dos artistas que contribuem com faixas para a compilação. Há ainda nomes menos conhecidos, como Tom Robinson Band e The Flys, que servem como exemplo para o ecletismo do programa. Bastava sua música cair no gosto do DJ para ganhar espaço.

“Movement” é o primeiro volume de uma série com os arquivos das Peel Sessions que a BBC e a EMI prometem para os próximos meses.

Até a morte do radialista, em 2004, ter sua música tocada no programa e ser convidado para gravar uma Peel Session era algo almejado por muitos artistas, novos ou não. O DJ Marc Riley, que assina o texto no encarte do lançamento, diz que “se John não tocasse seu disco, os dias de sua banda estavam praticamente contados.” Pode parecer exagero, mas dá uma ideia da dimensão e importância de Peel para a formação de diferentes gerações de bandas e ouvintes.

Em mais de 40 anos de carreira, John Peel nunca perdeu o interesse pelo novo e diferente. Em seu programa era possível ouvir na mesma noite, e em sequência, uma banda de indie pop, um death metal, um tecno hardcore e um clássico do reggae. Tudo junto e fazendo sentido.

 

Texto escrito originalmente por Fernando Kaida, no site da Uol.

sw0112_large

01. Superfície 3.28
02. Círculos 7.32
03. Lacuna 5.18
04. 31 3.09
05. Farto 3.02
06. Afeto 3.31
07. Vácuo 6.38
08. Fundo 5.36

Download  / Facebook / Site

Por Al Schenkel

Lacuna, lançado em 8 de abril deste ano via Sinewave, é o terceiro registro do carioca Cadu Tenório a frente de seu projeto mais caótico e extremo, o VICTIM!. Vale pautar que Tenório também faz parte dos projetos Sobre A Máquina, Gruta, Santa Rosa’s Family Tree e Ceticências, além de administrar ao lado de Thiago Miazzo, o selo independente TOC Label, onde você poderá encontrar disponíveis materiais da maior parte dos projetos citados acima para download gratuito.

Apesar de hipoteticamente ser um pouco mais acessível que os dois discos anteriores, devido a maior exploração e utilização de silêncios e  melodias, Lacuna ainda assim valoriza a verve mais experimental e ruidosa de seu mentor, exalando de forma catártica uma miríade de sentimentos expostas através de microfonias controladas, texturas, distorções, ambientações e captações sonoras industriais das mais diversas. Enfim, Lacuna nos traz através de suas oito faixas o caos completo em sua forma mais plena e aterradora, fato que poucas obras nos dias atuais nos fazem experienciar.

VICTIM! – Lacuna from VICTIM! on Vimeo.

As composições, gravações e mixagem são de Cadu Tenório e a masterização, de Emygdio Costa, também do Sobre A Máquina. A arte Mario Brandalise Baril e a assistência de produção de Thiago Miazzo.

Confira também os dois discos anteriores do VICTIM!, “Sexually Reactive Child”, lançado em maio de 2012 e “This Is What You Love, Young Man, And It Isn’t Beautiful!”, lançado em setembro de 2012. Ambos você encontra aqui: Toc Label.

 

tumblr_m6a7lftQ2i1qmwke8_1340810682_cover

01. Planetalium 1
02. Note 1
03. Broken infinity 1
04. Untitled 1
05. Solaris 1
06. Prophecy is from a nightmare 1
07. Nocturnal 1
08. Point at the sky (for Kurt Cobain) 1
09. Piano 1
10. Piano sustained 1
11. Instrumenta muziko 1
12. Prismo 1

Download / Facebook

Por Gu Gontijo

Formada no Japão em Maio de 2002 por Eugene Wakamikoto (vocals, guitar), Simone Miyauchi (guitar) e Keisuke Ashikawa (Bateria), a Eksperimentoj, ou “experimento”, traduzido do Esperanto, a língua planejada mais falada do mundo, lançou em 2007 seu até então único registro, o álbum homônimo contendo doze inspiradíssimas canções distribuídas em pouco mais de 73 minutos.

Com lançamento via Hurricane Records e com todas as músicas escritas e cantadas em inglês (com sotaque quase perfeito) por Eugene, as influências de Post-Rock e Progressive Rock dão a banda um “ar” entre Sonic Youth e Blonde Redhead, exalando também traços da sonoridade executada pelo Godspeed You! Black Emperor.

Apesar de Point At The Sky ser uma belíssima homenagem a Kurt Cobain e um dos pontos mais altos do disco, o destaque fica por conta de Note, segunda faixa e parte favorita deste grande e obscuro registro.

8-500

01. Lost Drive-In 3.59
02. Trigger Warning  1.45
03. Mountain View Acid Test 2.20
04. Witch Hunt 5.06
05. Komura Freak 2.50
06. Supernatural Darkness 6.03
07. Peace Eye 4.30
08. Singularity 4.56

Download / Facebook

Com o lançamento oficial realizado no dia de hoje, 22 de abril de 2013, Witch Tales vem a ser o sétimo disco da brasiliense/paulistana FireFriend e sucessor poderosíssimo e a altura de 999 To 666 TS Street, um dos discos mais bacanas lançados em 2011 (baixe o disco aqui).

Formada em 2006 e contando atualmente com Yury Hermuche, Júlia Grassetti, Pablo Orue e Cacá Amaral em sua formação, o quarteto investe pesado na dissonância, ruídos e experimentações, trazendo em seu mais novo rebento uma fusão estarrecedora e com poucos precedentes qualitativos em parâmetros nacionais e de genêro, encontrando nas raízes do shoegaze, free-jazz e psychedelic-rock a força motriz e direcionamento para a exploração hipnótica, brilhante e ousada presentes em Witch Tales.

Ouça canções como “Lost Drive-In”, “Trigger Warning”, “Mountain View Acid Test”, “Witch Hunt”, “Supernatural Darkness” e prove da beleza e acidez mútua propostas pela banda sem medo algum de perder-se pelo universo tortuoso e lânguido submersos em cada detalhe e nota desta grande obra.

OBS.: As versões físicas assim como a discografia completa e gratuita para download você encontra no site oficial da banda, aqui : FireFriend

Zomes “Time Was” (2013)

Publicado: 22 de abril de 2013 em Ambient, Drone, Electronica, Experimental
Tags:,

zomes

01.Loveful Heights 5.08
02. Monk Bag 6.36
03. Silentium 3.21
04. Little Lucid Dreamer 4.08
05. Footpaths 5.21
06. Equinox 4.52
07. Time Was 3.13
08. Cave Mountain Stream 4.29

Download / Buy

Por Al Schenkel

Time Was, quarto disco do Zomes marca duas importantes evoluções ao trabalho do mito Asa Osborne a frente de seu projeto pós-Lungfish: as primeiras gravações feitas em um estúdio e não em um gravador cassete, e a adição da vocalista sueca Hanna Olivegren, tornando o até então one-man band em um duo.

Sem grandes mudanças de tons ou complexidade nas estruturas musicais, Time Was segue a linha proposta por Osborne desde o início do projeto lá em 2008, ou seja, drones e melodias sustentadas sob notas de teclado longas e monótonas e baterias pré-programadas, criando um ambiente hipnótico para guiar a voz quente e lânguida de Hanna pelas oito faixas de poder mântrico e de uma profundidade quase religiosa que compõem a obra.

Time Was é um dos discos mais intensos e belos dos últimos anos, e canções como “Loveful Heights”, “Silentium”, “Time Was” e “Cave Mountain Stream” são algumas da provas irrefutáveis da tamanha grandiosidade que Asa Osborne e Hanna Oliveren alcançaram nesta sua primeira parceria. Torçamos para que este seja apenas o primeiro de muitos outros trabalhos que virão envolvendo estes dois gênios focados e aliados a este mesmo bem comum.

Inky “Parallels EP” (2013)

Publicado: 13 de abril de 2013 em Electronica, New-Wave, Post-Punk
Tags:,

artworks-000038317966-b7fkqr-t500x500

01. Nightbirds 2.59
02. Baião 4.46
03. Howlin’ to the Moon 3.42

Download / Facebook

Formada em São Paulo, em 2010, a banda Inky de Luiza Pereira, Guilherme Silva, Stephan Feitsma e Victor Bustani liberaram no início deste ano para audição e download através do seu perfil no soundcloud seu primeiro registro, o EP de três faixas intitulado Parallels. A sonoridade da banda flerta diretamente e principalmente entre o rock e música eletrônica, carregando também leves nuances de post-punk e new wave entre uma canção e outra.

Com a produção do disco assinada pela dupla Clickbox e masterizado pelo americano Brian Lucey, que já trabalhou com nomes como David Lynch, Sigur Rós e The Runaways, em 2011 o quarteto também foi responsável pelo show de abertura para o LCD Soundsystem no Brasil, além de gravarem na Holanda a canção No One’s Town, com participação da Metrópole Orchestra e do renomado produtor Steve Lillywhite (U2, Rolling Stones, Talking Heads), resultado de uma promoção da marca Phillips.

Confira logo abaixo Nightbirds, Baião e Howlin’ to the Moon, as três ótimas faixas presentes no  Parallels. Belíssima estréia!

Assista e ouça também Inky ft. Metropole Orchestra and Steve Lillywhite – No One’s Town

CassetteArt.indd

1.Gustav Björnstrand 13:17
2.The Mass Of Betelguese 21:28
3.Inner Sanctum 20:02
4.Hello, SATAN 18:40

Bandcamp / Facebook

Por Al Schenkel

Com lançamento oficial agendado para o próximo 12 de abril deste ano,  Inner Sanctum vem a ser o terceiro registro oficial do quarteto escocês de Glasgow, The Cosmic Dead. Com gravações datadas a março de 2011, Inner Sanctum terá edição limitada apenas em K7 e contará com distribuição através do selo independente inglês de Sheffield, Evil Hoodoo.

Com quatro faixas distribuídas em cerca de 74 minutos, Omar Aborida, Julien Dicken, James T Mckay e Lewis Cook  soam em seu mais recente trabalho como a cria perfeita gerada a partir de um processo seletivo entre as singularidades mais expressivas de bandas como Hawkwind, Faust, Bardo Pond e Amon Düül, trazendo junto a música um enorme turbilhão de imagens, transições e oscilações sensoriais ao ouvinte, rendendo uma viagem sem precedentes diretamente ao âmago da experiência sonora proposta pelos quatro músicos.

Ouça também Orbiting Salvation, lançado em 15 de março deste ano. O restante da discografia deste combo prolífico você poderá encontrar para audição e compra no Bandcamp da banda.

Abaixo você pode conferir o sampler das canções que compõe o disco Inner Sanctum.

Cellos “The Accident” (2013)

Publicado: 9 de abril de 2013 em Math-rock, Noise Rock
Tags:,

cover

1.Four Corporations 02:38
2.The New Religion 02:04
3.Rust and Government 03:41
4.Feeding Through The Breathing Tube 01:32
5.Stowaway 02:06
6.Pilgrimage 04:44
7.Nocturne 04:49

Download / Facebook / Buy

Por Al Schenkel

Formado por membros das bandas Orphan Choir, Explode When They Bloom e Tyburn Tree, o Cellos é um trio de noise rock surgido no ano de 2010 em Ontário, Canadá, e conta com dois discos até o momento. Tendo no currículo também o ótimo Bomb Shelter, de 2011, além de The Accident, disco em pauta no momento aqui no Ride Into The Sound.

Lançado em 22 de março deste ano pela Ah Some Records, “The Accident”  traz sete faixas carregadas de influências que vão do noise rock ao post-rock, passando também pelo math-rock e mostrando referências em seu trabalho de bandas como Jesus Lizard, Karp, Steel Pole Bath Tub, Godheadsilo, Slint e Unsane.

No geral um ótimo registro, cheio de urgência, climas tortos e guitarras ruidosas regidas com maestria por Kyle Marchand,  David Allan e Joe Rabie. The Accident é material obrigatório para fãs do bom, velho e ainda altamente revigorante noise rock.