Arquivo de maio, 2013

V/A – No New York (1978)

aavvnnycover

01. Contrortions – Dish It Out 3.17
02. Contrortions – Flip Your Face 3.13
03. Contrortions – Jaded 3.49
04. Contrortions – I Can’t Stand Myself 4.52
05. Teenage Jesus And The Jerks – Burning Rubber 1.45
06. Teenage Jesus And The Jerks – The Closet 3.53
07. Teenage Jesus And The Jerks – Red Alert 0.34
08. Teenage Jesus And The Jerks – I Woke Up Dreaming 3.10
09. Mars – Helen Fordsdale 2.30
10. Mars – Hairwaves 3.43
11. Mars – Tunnel 2.41
12. Mars – Puerto Rican Ghost 1.08
13.D.N.A – Egomaniac’s Kiss 2.11
14. D.N.A. – Lionel 2.07
15. D.N.A – Not Moving 2.40
16. D.N.A. – Size 2.13

Download

V/A – The Industrial Records Story 1976-1981 (1984)

69355d8d8f62112a16032c177b62b721

01. Throbbing Gristle – We Hate You (Little Girls) 2.04
02. Monte Cazazza – To Mom On Mother’s Day 3.45
03. The Leather Nun – Slow Death 4.20
04. Thomas Leer & Robert Rental – Day Breaks, Night Heals 3.53
05. SPK – Mekano 2.10
06. Cabaret Voltaire – Sunday Night In Biot 3.08
07. Elisabeth Welch – Stormy Weather 3.48
08. Clock DVA – Silent 2.17
09. Dorothy – I Confess 2.05
10. Throbbing Gristle – Distant Dreams (Part Two) 5.08
11. William S. Burroughs – Nothing Here Now… 4.07

Download

V/A – Doing It For The Kids: A Creation Compilation (1988)

MI0002378037

01. The Jasmine Minks – Cut Me Deep 3:28
02. Felt – Ballad Of The Band 2:53
03. The House Of Love – Christine 3:26
04. The Weather Prophets – Well Done Sonny 3:47
05. Primal Scream – All Fall Down 2:13
06. Biff Bang Pow! – She Paints 5:22
07. The Jazz Butcher – Lot 49 3:36
08. Heidi Berry – North Shore Train 7:10
09. Nikki Sudden – Death Is Hanging Over Me 4:11
10. My Bloody Valentine – Cigarette In My Bed 3:28
11. Pacific – Jetstream 5:00
12. The Times – Godevil 4:40
13. Momus – A Complete History Of Sexual Jealousy (Parts 17-24) 5:31
14. Emily – Reflect On Rye 2:12
15. Razorcuts – Brighter Now 2:39

Download

VA – Movement: BBC Radio 1 Peel Sessions 1977-1979 (2011)

81j7wGLUJML._AA1500_

Disc One

01.The Jam – In The City 2:12
02.Buzzcocks – What Do I Get? 2:49
03.Generation X – Youth Youth Youth 3:48
04.The Stranglers – No More Heroes 3:11
05.The Adverts– Gary Gilmour’s Eyes 2:15
06.The Slits – Love And Romance 2:24
07.XTC – Science Friction 3:20
08.Dr. Feelgood – She’s A Wind Up 1:56
09.Tom Robinson Band – Don’t Take No For An Answer 4:00
10.Ian Dury & The Blockheads – Sex, Drugs & Rock ‘N’ Roll 4:05
11.Adam & The Ants – Deutscher Girls 2:36
12.Siouxsie & The Banshees – Hong Kong Garden 2:40
13.The Only Ones – Another Girl Another Planet 2:56
14.The Undertones – Get Over You 2:55
15.The Rezillos – Top Of The Pops 3:06
16.The Flys – Love And A Molotov Cocktail 2:41
17.The Members – Sound Of The Suburbs 3:46
18.Stiff Little Fingers – Alternate Ulster 2:51
19.Skids – The Saints Are Coming 3:14
20.The Angelic Upstarts – We Are The People 3:57
21.The Ruts – S.U.S. 3:15
22.999 – Homocide 4:08
23.John Cooper-Clarke – Reader’s Wives 2:08

Disc Two

01.Penetration – Movement 3:05
02.Monochrome Set – Goodbye Joe/Strange Boutique 5:06
03.Wire – The Other Window (Original Version) 2:19
04.Magazine – Light Pours Out Of Me 4:17
05.Joy Division – Transmission 3:54
06.Killing Joke – Wardance 3:44
07.The Human League – Being Boiled 4:21
08.Orchestral Manoeuvres In The Dark – Messages 4:07
09.The Psychedelic Furs – Sister Europe 5:08
10.Simple Minds – Premonition 5:32
11.Public Image Limited – Poptones 4:31
12.Steel Pulse – Jah Pickney (Rock Against Racism) 3:40
13.Aswad – It’s Not Our Wish 3:43
14.UB40 – Food For Thought 4:47
15.The Special A.K.A – Gangsters 3:00
16.Madness – The Prince 2:33
17.The Selecter – Street Feeling 3:16
18.The Beat – Ranking Full Stop 3:03

Download pt 1 / Download pt 2


V/A – Let Them Eat Jellybeans! (1981)

images

01.Flipper – Ha Ha Ha 2:13
02.D.O.A. – The Prisoner 2:34
03.Black Flag – Police Story 1:32
04.Bad Brains – Pay To Cum 1:30
05.Dead Kennedys – Nazi Punks Fuck Off 1:00
06.Circle Jerks – Paid Vacation 1:28
07.Really Red – Prostitution 1:20
08.Feederz – Jesus Entering From the Rear 2:46
09.The Subhumans – Slave to My Dick 2:37
10.Geza X – Isotope Soap 2:21
11.B-People – That’s My Song 2.15
12.Wounds – An Object 2.44
13.Offs – Everyone’s a Bigot 3:34
14.Half Japanese – Fun Again 1.45
15.Christian Lunch – Joke’s on You 3.29
16.Voice Farm – Sleep 2.47

Download

V/A – Jabberjaw…Pure Sweet Hell (1996)

R-1775788-1242611356

01.Fitz Of Depression – Burn It Down 2:11
02.The Hi-Fives – Skybolt X-66 1:24
03.Brainiac – Go! 3:23
04.Mary Lou Lord – Birthday Boy 2:42
05.Everclear – How Soon Is Now 3:12
06.Man Or Astroman? – Earth Station Radio 3:16
07.Jawbreaker – Sister 4:16
08.Steel Pole Bathtub – The Charm 3:27
09.Clikitat Ikatowi – Librarian 1:56
10.Redd Kross – Star Lust 2:44
11.The Bomboras – Fiberglass Jungle 2:20
12.godheadSilo – Heaven Isn’t Hollywood 3:45
13.Low – I Started A Joke 4:29
14.Laughing Hyenas – Shine 3:58
15.The Coctails – Gripper Bite 5:57

Download

V/A – Hall Of Mirrors (2005)

cover

Disc One

01. Kinski – Teen Center  6.25
02. Circle – Kuonopäivää  6.20
03. Gravitar – Maybe Ben Hur 6.00
04.  Overhang Party – Le Fantôme De La Liberté (Edit) 5.56
05.  Tarantula Hawk – Excerpt From Live On KFJC 5.54
06.  Up-Tight – Sweet Sister, Vol. 4 6.01
07. ST37 – They Time 5.57
08. Vocokesh – The Somnambulist Speaks 4.19
09. Farflung – These Clouds Are Solid 3.14
10. Speaker\Cranker – I Got Yer Head (Chopped Off) 5.31
11. DMBQ – Small Hours 5.35

Disc Two

01. SubArachnoid Space – S.F. Eagle 4.44
02. Fuzzhead – Remember The Avalon 6.08
03.  Numinous – Someplace Left Out 5.49
04.  Escapade – 4’33 4.35
05.  Acid Mothers Temple & The Melting Paraiso U.F.O – Fire Walk With Us 5.29
06.  Abunai! – Our Wayward Fuel  4.02
07. Bardo Pond -Do The Flood  6.25
08. Primordial Undermind – Non Servium (Undermind) 5.59
09. Transpacific – Fall River Mills  6.05
10.  Bubble  – Grey Baby 5.09
11.  Yeti  – Raja Gaj 8.48

Download

Old Moon Whale (1996)

cover old magic pallas

01.Old Magic Pallas – Stargazer
02.Old Magic Pallas – Still With You
03.Old Magic Pallas – Raindrops
04.Pld Magic Pallas – Twiggy
05.Old magic Pallas – Not So Sure
06.Old Magic Pallas – Jane
07.Speed whale – When I Look at You
08.Speed Whale – Faster
09.Speed Whale – Chungabunga
10.Speed Whale – Tonic Song
11.Speed Whale – Heres Comes The Blizzard
12.Speed Whale – Iowa
13.Moonrise – Come & Take
14.Moonrise – Wine
15.Moonrise – Barbaric Yawp
16.Moonrise – Nights Never Ends
17.Moonrise – Civil Contempt
18.Moonrise – Love

Download

V/A – Bands That Could Be God: The Conflict Compilation  (1984)

100206111049187475384006

01.Busted Statues – Blue Cheer 3.24
02.Moving Targets – Changing Your Mind 2.42
03.Deep Wound – Time to Stand 1.43
04.Sorry – My Word 1.26
05.Outpatients – Light Blue 1.50
06.Moving Targets – Waiting for the End 1.41
07.Outpatients – Fight 2.11
08.Beanbag – Harrassment 2.11
09.Christmas – 100 Million Flowers 3.43
10.Christmas – My Little Book of Lies 2.05
11.Salem 66 – Sleep on Flowers 4.09
12.Moving Targets – Selfish 1.53
13.Flies – The Plunge 1.55
14.Busted Statues – Nautical 3.58
15.Deep Wound – You’re False 0.41
16.Beanbag – Cat’s Pajamas 4.06
17.Sorry – One More Step 1.35

Download

V/A – Sub Pop 100 (1986)

sub pop 100 front

01.Steve Albini Spoken Word Intro Thing 0:50
02.Scratch Acid – Greatest Gift 2:03
03.Wipers – Nothin’ to Prove (Live) 2:07
04.Sonic Youth – Kill Yr Idols 2:47
05.Naked Raygun – Bananacuda 1:41
06.U-Men – Gila 2:16
07.Dangerous Birds – Smile on Your Face 2:55
08.Skinny Puppy – Church in Hell 3:12
09.Steve Fisk – Go at Full Throttle 2:29
10.Lupe Diaz – Itsbeena 1:14
11.Boy Dirt Car – Impact Test 1:22
12.Savage Republic – Real Men 3:12
13.Shonen Knife – One Day of the Factory 3:55

Download

Anúncios

The Sorry Shop

Por Al Schenkel

Lançado no dia 1º de maio deste ano, Mnemonic Syncretism é o segundo disco cheio do sexteto rio grandense de shoegaze, The Sorry Shop. A banda, formada por Régis Garcia, Marcos Alaniz , Mônica Reguffe, Rafael Rechia, Kelvin Tomaz e Eduardo Custódio em maio de 2011, vem consolidando seu nome entre alguns dos maiores representantes da atual cena alternativa/underground nacional, empunhando com louvor uma sonoridade iniciada há cerca de três décadas atrás e reverenciada através de grande artistas como My Bloody Valentine, Slowdive e Dinosaur Jr.

Em Mnemonic Syncretism a proposta inicial da The Sorry Shop, assim como nos trabalhos anteriores — Thank You Come Again EP, de 2011 e Bloody, Fuzzy, Cozy, de 2012 — segue mantida a todo vapor, tendo como objetivo fusionar wall of sounds poderosos e densos sobre estruturas musicais delicadas e vocais doces e introspectivos, fórmula aliás atingida com maestria, resultante da ótima fase criativa na qual os músicos gaúchos se encontram. Também é notável a evolução dentro do processo de produção e gravação do álbum, mérito de Régis Garcia, verdadeiro mágico da cultura DIY e um dos núcleos criativos da banda.

Logo abaixo você poderá conferir então um faixa a faixa exclusivo escrito por Régis Garcia sobre as dez músicas que compõe Mnemonic Syncretism, podendo assim assimilar as suas concepções sobre a criação de cada canção e entender um pouco sobre o universo particular do músico e suas inspirações.

01. Star Rising

Quando decidimos a ordem do disco, foi impossível não pensar na Star Rising como faixa de abertura. Logo que acabamos o “Bloody, Fuzzy, Cozy”, já tínhamos algumas ideias na cabeça (ou até gravadas), como foi o caso da Star Rising. Nesse sentido, pela proximidade com o álbum anterior, dá pra perceber que ela tem um semblante bem semelhante ao das músicas mais antigas. Quando eu escuto a Star Rising abrindo o disco, sempre tenho a sensação de que há alguma espécie de elo conectivo com o trabalho prévio e isso me agrada. Também gosto do andamento dela, uma coisa meio monótona, mas ainda assim com um movimento ascendente.

 

02. Cold Song

A Cold Song, na verdade, partiu de uma ideia que acabou virando outra música, a “Silkworm”, que ficou de fora do disco. Quando o Marcos trouxe a letra pra gente, percebi que ela ficaria bem mais interessante da maneira que ficou. Gosto da estética invernal dela, um clima meio azulado. A letra tem menção ao clima de julho, frio aqui no sul do Brasil. Achamos engraçado que alguém na América do Norte, por exemplo, escute e pense que estamos loucos falando, em língua inglesa, do frio no verão. Mas tudo bem, nosso contexto é esse e é sobre ele que sabemos falar. O frio aqui é meio assim mesmo: ele vem em ondas, sopra na praia e faz um movimento de areia levantando, como se passassem cavalos correndo e levantando poeira. A paisagem da janela do Marcos é essa, dá diretamente pra praia do Cassino, uma das maiores em extensão do mundo. Além de estarmos literalmente na borda do mundo, como a letra também sugere, dá pra entender essa sugestão como uma metáfora de introspecção, do olhar marginal, de quem realmente está na borda, longe do centro, tentando entender e absorver o resto do mundo. Em relação ao instrumental, o que mais gosto nela é baixo preguiçoso, denso e bagunçado, bem simples, que por vezes carrega a música um pouco pra trás.

03. Rooftops of Any Town

É uma faixa bem crua e direta. Quando estava pensando no contexto do disco, antes de criar a Rooftops, eu sentia muita falta de algo um pouquinho mais visceral. Ela é tão simples que não passa de uma bateria marcada, baixo distorcido e um par de riffs simples de guitarra. Mesmo assim, quando ela ficou pronta, sentimos falta de uns “tapa buracos” na música e, então, o Rafa Rechia providenciou uns feedbacks bacanas e uns ruídos que completaram ela. É, sem dúvida, uma das mais divertidas ao vivo, daquelas que funcionam se esticadas por bastante tempo, abusando do barulho. A letra também tem relação com nosso contexto, ou de qualquer cidade por aí. É a imagem geral daquela velha paisagem urbana que a gente conhece por inteiro, por onde a gente pode se mover de olhos vendados, onde a gente cresceu e, em um determinado momento, acaba por se tornar uma simbiose e a gente já não sabe mais qual a diferença entre aquilo que nos circunda e a nossa própria
subjetividade.

04. Sulfur

A Sulfur foi a primeira a ficar pronta e ia ser lançada um mês antes do disco ficar pronto, como single. Na verdade, ela passou uns seis ou sete meses pronta, esperando a letra. Em um determinado momento, acabamos estourando o prazo para ela ser liberada como single. Estava bem difícil organizar ela com letra e vocais (que só começaram a ser gravados bem no fim do processo todo do disco). Para piorar a situação dela, enquanto trabalhava gravação dos vocais, acabei tendo problemas no HD externo onde estavam os projetos das músicas da The Sorry Shop e a Sulfur desapareceu. O que temos dela é um bounce da mix final (quase provisória) feita logo no início do processo de gravação e mixagem do disco. Foi, por um lado, interessante que isso tenha acontecido, já que ela foi, por isso, um norte para todo conjunto do álbum. A letra da Sulfur tem relação com a necessidade de seguir em frente, de esquecer algo que passou e deixar de lado o passado. Contudo, quando isso acontece, pode ser que tenhamos que enfrentar demônios e infernos particulares e aprender a lidar com eles.

05. Protect

É, possivelmente, a minha faixa favorita. Gosto demais, além de tudo, da letra dela, que foi uma parceria entre o Marcos e eu. Também gosto muito da maneira como ela se desenvolve, sem grandes nuances, nem riffs muito marcantes ou distintos. O linha principal de guitarra é uma variação entre tônica e oitava, de uma mesma nota, afundada em distorção, delay e reverb. É singelo. O arranjo dela, pra mim, tem algo de hipnótico, acho que por ter uma qualidade meio elíptica. Ao vivo ela tem ficado bem ficado bem interessante, com um groove diferente que, por vezes, remete a uns lances mais psicodélicos lá de 60 ou início de 70. Um pouco ela também é uma ode ao MBV.

06. Mnemonic Syncretism

Essa quase vinheta, toda instrumental mesmo, foi gravada por completo no dia anterior ao lançamento do disco. Eu já tinha ideia de algo que fosse uma introdução para a Know Me Right, faixa seguinte do disco, mas ainda não a tinha testado. Enquanto terminávamos o disco, começamos a ensaiar para os shows do lançamento. No último ensaio, tentando buscar uma alternativa para a introdução da Know Me Right, o Rafa acabou aparecendo com a ideia harmônica que deu vida para a Mnemonic Syncretism. Fiquei com aquilo na cabeça, amadurecendo a ideia e, quando não tinha mais tempo pra parar e gravar nada, gravei a faixa homônima ao título do disco. Acho que a posição dela no álbum é bem favorável ao contexto geral da obra. É como um respiro, uma pequena meditação para limpar os ouvidos e depois voltar a escutar a próxima parte com mais atenção.

07. Know Me Right

A Know Me Right é uma música bem fácil, reta, simples. O que mais meagrada nela é a letra, que tem relação com a solidão e a impessoalidade no meio de tanta coisa, tanta informação e tanta gente. Todo mundo é observador, o voyeurismo não é mais apenas um fetiche, é uma solução pra conseguir lidar com o fluxo contínuo de dados, imagens, sons, textos, a que somos submetidos diariamente. Estar no quarto e com tanto contato com o mundo soa como escapismo, uma variação perversa do que foi fugir para o campo ou para as imensidões vastas em outros momentos da história recente da civilização. Ao mesmo tempo em que observamos, estamos sendo observados, devorados e julgados. É um duo esquizofrênico ao qual nos acostumamos e, mais estranhamente, nos sentimos confortáveis e nos acalentamos. O engraçado é que, de longe ela parece otimista, quem sabe pela harmonia e levada, mas definitivamente é uma música muito fatalista.

08. Away to Mars

Demorou pra ficar pronta e é lotada de camadas e mais camadas de guitarra, além de muitas texturas. Acho que foi a faixa mais fácil de fazer pela liberdade que acabamos assumindo nela. A ideia principal nela veio de uma linha aleatória de guitarra, que gravei solta, só com o metrônomo. Eram frases pequenas que eu ia repetindo e alternando. A parti daí fui adicionando todas outras camadas até ficar satisfeito, cada uma da mesma maneira que a primeira, sem necessariamente um foco na composição e sem visar um resultado final específico. Pra fechar a faixa, acabamos gravando uma microfonia da guitarra do Kelvin Tomaz, num fim de ensaio, sem que ele estivesse escutando a faixa e ainda sem ter sido devidamente apresentado ao resultado parcial dela. Pra mim é o elemento mais bacana da coisa toda. O resultado final é bem interessante e toma o mesmo contorno da letra e da proposta interna da faixa. A letra, por sinal, é pro Major Tom.

09. The Lesser Blessed

Relutei bastante ao ponderar sobre lançar a The Lesser Blessed. Gosto demais dessa faixa, mas às vezes não via ela no contexto do disco. O que mais me motivou a lança-la foi a possibilidade de homenagear o Richard Van Camp, escritor de um belo livro, cujo título deu o nome a essa faixa. A letra é baseada na trajetória da personagem Larry, protagonista do livro do Van Camp. Não vou fazer spoiler aqui, é um livro baratinho, vale a pena ler. O mais legal foi que assim que o disco saiu, mostrei ela diretamente pro autor, que foi bastante gentil e disse que acho bem legal. Foi muito bom saber que ele achou interessante, principalmente por ter lido que durante a escrita do livro (como consta nos agradecimento na última página) ele escutou bastante Slowdive, MBV e por aí vai. É um cara com referências. Também gosto muito da suavidade do vocal da Mônica nessa música.

10. Awaken Dream

Desde que ficou pronta, a Awaken Dream, pra mim, é uma das faixas mais visuais da banda. Não gosto muito do termo, mas acho que ela tem uma característica bastante onírica. O Marcos fez a letra dela pensando no “Labirinto” e no Bowie. Por ser uma faixa bastante visual, que oferece algumas imagens nubladas, borradas, como a própria letra sugere, me parece que é uma das boas candidatas pra ganhar um registro visual que acompanhe a faixa. A pegada dela ao vivo é ótima, dá pra experimentar bastante tocando.

 

a2777443176_10

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

1.Star Rising 03:58
2.Cold Song 04:17
3.Rooftops of Any Town 02:21
4.Sulfur 04:06
5.Protect 04:41
6.Mnemonic Syncretism 02:52
7.Know Me Right 04:24
8.Away to Mars 04:07
9.The Lesser Blessed 04:14
10.Awaken Dream 03:58

Confira o disco e baixe gratuitamente através do bandcamp oficial da The Sorry Shop, aqui: http://thesorryshop.bandcamp.com/

Death Engine “Amen EP” (2013)

Publicado: 20 de maio de 2013 em Noise Rock, Post-hardcore
Tags:, ,

a3929017174_10

1.No Hope 02:30
2.Dallas 02:38
3.Gun 03:47
4.Amen 07:46

Download / Facebook / Buy

Por Al Schenkel

Gravado ao vivo e mixado pelo produtor/engenheiro Amaury Sauvé em La Senelle, “Amen” é o EP de quatro faixas e estréia da banda francesa de post-metal/noise-rock e post-hardcore Death Engine. O disco pode ser encomendado através dos selos Throatruiner, Basement Apes Industries e North Cult Records, com distribuições a partir de 20 de junho deste ano em tiragens limitadas nos formatos CD e LP.

Contando com as pedradas “No Hope”, “Dallas”, “Gun” e “Amen”, o registro com pouco mais de quinze minutos exala desespero, violência e urgência através de melodias ásperas e angulares que andam rendendo ligações elogiosas em blogues independentes as bandas Playing Enemy, Swans e Amenra. Registro obrigatório para fãs do gênero e uma das obras mais revigorantes do ano.

Death-Engine

625559_440900185993340_1026990593_n

01. Silêncio
02. Walking the Valley – Part I
03. Umbra
04. Walking the Valley – Part II

Por Al Schenkel

Editado a partir de gravações da XYZ Live, produtora que trouxe o The Cure ao Brasil em abril deste ano e de gravações do Fernando Augusto Lopes, do site parceiro Floga-se, o registro abaixo disponibilizado no youtube traz o show de abertura quase completo da Herod Layne na Arena Anhembi, ocorrido no dia 6 de abril deste ano, poucos minutos antes de Robert Smith e cia subirem ao mesmo palco e despejarem décadas de sucessos em cerca de três horas de um espetáculo aguardadíssimo.

Ao total foram cinco canções executadas pela banda, sendo que “Penumbra” acabou ficando de fora do registro. Em pouco mais de 20 minutos a Herod Layne, que é formada por Elson Barbosa (baixo), Sacha (guitarra), Lucas Lippaus (guitarra) e Marcio Dutkiewcz (bateria) destilou todo o poder e a intensidade de seu post-rock diante uma platéia de mais de trinta mil pessoas, marcando um momento histórico e emocionante na carreira do quarteto. Destaque para o final catártico do mais puro noise através da canção “Walking the Valley – Part II”.

O relato completo e fiel deste marco para o rock underground brasileiro e especialmente para a Herod Layne pode ser conferido no já citado Floga-se, aqui.

Setlist:

1- Silencio
2- Walking the Valley – Part I
3- Umbra
4- Walking the Valley – Part II

Herod Layne is:

Marcio Dutkiewcz – Drums
Elson Barbosa – Bass
Sacha – Guitars
Lucas Lippaus – Guitars

Staff:

Joaquim Prado – Producer / Sound Engineer
Bernardo Pacheco – Sound Engineer
Matheus Barsotti – Roadie
Marcela Erdebrok – Photographer
Fernando Lopes – Blogger
Daniel Ribeiro – Assistant

The band would like to thank all the XYZ Live crew, specially Marcello Belmudes and Tiago Machado,

All the footage in this video was provided by XYZ Live, as well as additional footage by Fernando Lopes, Sandro Ferreira and Evandro Olivier. The final version was edited by MGW Produções.

http://www.facebook,com\herodlayne
http://www.sinewave.com.br

As+High+as+the+Highest+Heavens+and+From+the+Center+TrueWidowAsHighAsTheHighest

01. Jakyl 5:50
02. Blooden Horse 7:05
03. N.H. 6:40
04. Skull Eyes 3:45
05. Wither 5:10
06. Boaz 7:22
07. Night Witches 3:16
08. Interlude 0:56
09. Doomseer 9:06

Download / BuyFacebook

Por Carlos André

True Widow consiste em um trio texano formado em 2007, cujos integrantes atendem pelas alcunhas de D.H., Nikki e Slim. Não muito depois de sua fundação, os cidadãos surgem ao mundo com um álbum auto-intitulado no fim de 2008, arrebatando tudo com uma mistura devastadora de Stoner Metal, Sludge, Shoegaze e Slowcore. Nomes como jesu, Pelican, Mogwai, Slowdive e, principalmente, o sempre infelizmente esquecido Codeine vem a mente conforme as suas músicas tomam seu rumo, ainda que a verdadeira viúva tenha uma identidade tão marcante a ponto de eliminar qualquer ambiguidade. Em meio a toda essa névoa densa e pegajosa, veio a tona o segundo trabalho, intitulado “As High as the Highest Heavens and From the Center to the Circumference of the Earth”. Nome pequeno e fácil de decorar, não acham? Nele, os norte-americanos refinam ainda mais sua verve sônica, nos trazendo um álbum delicioso para ser degustado em dias preguiçosos e vagarosos. Sem dúvidas, um dos projetos mais intensos e diferenciados na ativa atualmente, sendo não mais do que sua obrigação conferi-los e apreciá-los.

“True Widow, who grabbed those lackadaisical grunge breakdowns we didn’t even realize we missed, and drew them out in an epic swell of apathy and stoned whateverness”.

dreamdecay

01. Nveedle 7.39
02. Nvun 1.58
03. Strinvg 2.28
04. / 3.09
05. Ceilinvg Fan 3.18
06. Emptynv 6.27
07. Perpetualnv 2.24
08. \ 8.33

Download / Buy

Por Al Schenkel

Após uma grande estréia através do EP Fern, lançado em 2012, o Dreamdecay trouxe a tona seu primeiro full-lenght no último 23 de maio deste ano. NVNVNV marca a mudança da banda para a Iron Lung Records, selo especializado em punk, hardcore e noise-rock situado em Seattle, cidade de origem da banda.

Formada em 2011 por Gallego, Merz, Clackley e Gaziano, o quarteto despeja em pouco mais de trinta minutos oito canções pós-apocalípticas  em um dos registros mais caóticos do ano até o momento.  NVNVNV reúne notáveis assimilações em sua essência com a sonoridade de bandas como Swans,  Pissed Jeans, Sonic Youth e Jesus Lizard, infundindo uma catarse explosiva e ruidosa da primeira até a última microfonia.  Altamente recomendado.