Mixtapes & Noisemates #9: Ron Selistre (Damn Laser Vampires / Solomon Death)

Publicado: 12 de novembro de 2013 em Compilation, Mixtapes & Noisemates, Various Artists
Tags:,

1378930_601985003192999_637949709_n (1)

01.Orange Trickster – “The Girl”
02.The Trial – “Lovers”
03.Jesus & The Groupies – “Crack House”
04.The Prom Queen – “Jesus, etc”
05.Lux & Fear – “Modern Distress”
06.Phantom Powers – “Mother Nature’s Call”
07.Mary O and The Pink Flamingos – “Terror no Dona Neca”
08.Pools Of Happiness – “Holloway District”
09.Nelo Johann – “Elope”
10.Duo Deno – “Você Tá Bem?”
11.Starfire Connective Sound – “Self-Induced Heaven”
12.Human Trash – “Down In Your Mouth”

Download / Solomon Death / Damn Laser Vampires

Por Al Schenkel

Seja a frente da Damn Laser Vampires — banda gaúcha que infelizmente encerrou as atividades em dezembro de 2012 — ou nas rédeas de sua empreitada solo que vem ganhando vida desde 2011, o Solomon Death, Ron Selistre segue firme em sua jornada artística proporcionado-nos alguns dos trabalhos mais brilhantes destes últimos anos, sempre maravilhando-nos com sua elegantíssima voz típica de um crooner em uma fusão de dramaticidade e expressividade atônitas.

Com dois discos junto a DLV,  o álbum de estreia lançado em 2008 nos EUA e elogiado em diversos países, “Gotham Beggars Syndicate”, e “Three-Gun Mojo”, gravado no Caffeine SoundStudio e lançado em 2010, ao lado de Francis kafka e Michel Munhoz, a Damn Laser Vampires, trio surgido em Porto Alegre no ano de 2005 e que já foi rotulado de pós-punk, neo-punkabilly, psychobilly minimal, gothpunk, artpunk, garage polka, punk-polka, apesar da curtíssima discografia deixou-nos um dos maiores legados já produzidos em terras nacionais munidos de apresentações incendiárias nos quatro cantos do país.

E para a nona edição da Mixtapes & Noisemates, Ron nos presenteia com doze canções em variados gêneros e mais textos informativos sobre suas escolhas, mostrando-nos o que vem rolando em seu player e agraciando-nos com uma amostra interessantíssima de seu gosto pessoal, focado principalmente em artistas contemporâneos e surgidos também em solo nacional. A arte fica mais uma vez com o grande Neri Rosa.

Abra uma cerveja, leia o texto, aumente o volume e passe adiante!

Ouça Hauntend, do Solomon Death.

Por Ron Selistre

Antes de aceitar o convite eu disse, “Mas Al, eu não ando ouvindo muita coisa nova. Uma lista de doze músicas novas pode ser um pouco difícil.” Aí ele respondeu “Pode ser também alguma coisa mais antiga que você tenha conhecido recentemente”, e pensei “Ah, melhorou.” Porque faz tempo que noventa por cento do que eu ouço tem mais idade que eu.
E já estava preparado pra mandar um desfile de cadáveres envolvendo quintetos de choro e monges asiáticos de nomes impronunciáveis quando percebi que, felizmente, não seria preciso recorrer ao meu querido antiquário. Havia uma outra turma muito boa frequentando o playlist – todos contemporâneos, todos na ativa, uns mais, outros menos – e seria ótimo poder falar deles.

Não percam tempo com a minha tagarelice aí abaixo: pulem direto pra música, e não precisam me agradecer. Quero apenas sugerir que, caso gostem de algum nome em particular, usem os links pra mostrar aos seus amigos e, se possível, gastem dois minutos pra cumprimentar essas pessoas por trazerem música boa até nós. Como muitos de vcs sabem, a nossa época não é muito generosa com seus artistas independentes, por isso um simples “gostei do seu som” é valioso e sempre bem vindo – e é de graça.

Os nomes estão aqui sem nenhuma ordem de importância e merecem igual atenção.

Orange Trickster – “The Girl”
Esse projeto eletrônico do Alvaro Neto nos dá pistas nítidas sobre em que altura da história da cultura pop nós estamos: um período tão dormente que uma canção redonda como esta passa batida pela atenção das multidões. “The Girl” tem tudo e mais um pouco que um clássico precisa, incluindo um refrão perfeito em três simples acordes (escrito quando o autor tinha 15 anos!), um vocal feminino doce e sem afetação, e uma atmosfera luminosa. Futurismo nostálgico da melhor categoria.

The Trial – “Lovers”
O Trial, quarteto de Lajeado – RS, se comporta exatamente como a música que produz; não comete excessos, não se autoproclama coisa alguma. O som fala por si. Sua performance ao vivo (impressionante pela precisão, incluindo uma interpretação ofuscante de “Know Who You Are at Every Age” do Cocteau Twins!) e as canções que eles registram em estúdio tem a mesma honestidade de quem sabe tranquilamente quem é, onde está e o que faz. A presença forte do vocal chama atenção na hora, mas não parece se preocupar em ser um elemento de frente, porque tudo está no seu lugar de modo a não deixar espaço pra nenhum destaque.

Jesus & The Groupies – “Crack House”
Espaço suficiente é uma coisa que não existe quando se trata de dar a ficha de Marco Butcher e Luis Tissot; bastaria dizer que esses dois cavalheiros tem atrás de si uma das mais invejáveis estradas pelos subterrâneos do rock n’ roll. Incluindo (muitas) turnês internacionais bizarras, parcerias intermináveis – que vão do ex-Bad Seeds Hugo Race e Dan Kroha (The Gories) a Lydia Lunch e Rob Kennedy – , além de exibirem no currículo o Thee Butcher’s Orchestra e o Human Trash (só pra citar dois luminares) e por aí vai. E, me permitam uma nota de orgulho pessoal, a dupla produziu em 2010 o disco “Three-Gun Mojo”, dos Damn Laser Vampires. O J&TG é uma de suas muitas colaborações, e a irresistível “Crack House” se destaca no álbum “Hot Chicks and Bad DJs”, lançado este ano.

The Prom Queen – “Jesus, etc”
Mariana Prates, ex-baixista da Superphones e mais tarde da Christianz & The Phasers (missão da maior responsa, assumir justamente as quatro cordas numa excelente banda blacksoulfunky), traz à luz sua outra face no The Prom Queen: uma cantora classudíssima, atuando sobre arranjos perfeitamente criados pra voz dela. No ainda modesto MySpace da banda, o destaque é a versão muito pessoal deste clássico do Wilco, produzida (magistralmente) pelo João Augusto Lopes para a coletânea “Yankee Hotel Foxtrot Tribute – a Box Full of Versions”, lançada no ano passado.

Lux & Fear – “Modern Distress”
Rodrigo Luz é vocalista de algumas – honestamente não sei quantas – bandas de hardcore atuantes em Porto Alegre, entre elas a performática Viruskorrosivus, e também mantém diversos projetos solo (até isto ser publicado ele provavelmente já terá criado mais uma meia dúzia). O Lux & Fear, mais afeito à darkwave e ao synthpop, é o meu favorito deles, e “Modern Distress” é uma das razões.

Phantom Powers – “Mother Nature’s Call”
Os veteranos Tio Vico (ex-Hangover Boys; confira também a carreira solo do homem) e Ray Z (outro nome cujo currículo precisaria de uma matéria à parte) entendem de timbres e riffs como ninguém. O Phantom Powers é sua homenagem incendiária a tudo que o garage surf e o psychobilly representam de mais divertido. Claras referências a The Monsters e Meteors.

Mary O and The Pink Flamingos – “Terror no Dona Neca”
Um dos mais divertidos grupos de garage surf em atividade. Dignos seguidores da escola Link Wray e Dick Dale (que inspira tantos nomes importantes do estilo, como Reverba Trio e The Dead Rocks, por exemplo). Vai dar uma festa? Sério: leve isto aqui.

Pools Of Happiness – “Holloway District”
Tem essa história sobre o tal do “revival”: De tempos em tempos as pessoas gostam de falar que há um revival disso ou daquilo, ou que vem aí uma “nova safra” desse ou daquele revival. Com a indústria cultural reduzida ao status de refém de números e de tendências que estragam depois de dez minutos no sol, isso é uma ilusão primária. O que até pouco tempo era identificado apenas como “revival” é hoje um elemento catalisador presente em quase tudo que a vista alcança. Longe de ser novidade, esse é um fenômeno cíclico (há uns 25 anos o melhor nome que se tinha pra ele ainda era “pós-modernismo”). Por isso seria besteira dizer que o Pools Of Happiness é parte de um revival. A música deles sintoniza inegavelmente com o espírito oitentista, mas de um modo tão natural que faz pensar se existe mesmo isso de “som dos oitenta” – ou se aquela década não teria sido na verdade um revival do futuro.

Nelo Johann – “Elope”
A bagagem desse sujeito (nascido no dia 3 do mês 3 de 83) inclui, além de nada menos que vinte e cinco álbuns (totalmente autorais, produzidos sob o cânone do que ele define como LO-FIghter – tudo pra baixar lá em nelo.4shared.com ), a trilha sonora integral de um longa premiado (“Os Famosos e os Duendes da Morte”, melhor filme no Festival do Rio 2009), a abertura de um show da Cat Power, e uma linda versão banquinho & guitarra de The Number Of The Beast que, segundo consta, rendeu ameaças vindas dos headbangers mais puristas (e naturalmente mais babacas). Um dos artistas mais produtivos e de estilo mais forte que eu conheço.

Duo Deno – “Você Tá Bem?”
Parceria do mestre compositor, pesquisador, multi-instrumentista, biblioteca ambulante e por aí vai (e vai longe) Arthur de Faria com o escritor Daniel Galera. O clima “crooner de cabaré” é um dos ambientes favoritos do cara, e aqui ele deita e rola. A “normalidade” descrita de modo nem um pouco normal, sarcástico ao extremo e definitivamente destemido.

Starfire Connective Sound – “Self-Induced Heaven”
Não tenho receio de parecer estar favorecendo o dono da página aqui (pra quem não sabe, Mr. Al Schenkel é o “man behind the mask” do SCS). Qualquer resquício dessa impressão desaparecerá nos primeiros instantes de “Self-Induced Heaven”. Densa e flutuante, misteriosamente ameaçadora. Quase uma “antimúsica”, que se aproxima como uma nuvem crescente. Pra vc que assim como eu acredita que o shoegaze não precisa ser aquela reedição entediante das mesmas ideias, e que uma obra de arte é a única coisa capaz de dissolver a linha que separa a tristeza da beleza sublime.

Human Trash – “Down In Your Mouth”
Uma das muitas ramificações do que alguns – eu entre eles – gostam de chamar de “o som do Caffeine” (o timbre característico produzido no Caffeine Soundstudio, quartel-general do selo paulistano Mamma Vendetta), o Human Trash, que acaba de lançar o segundo álbum, é uma dessas bandas com o incrível poder de carimbar no disco a intensidade do palco. Isso principalmente pela quilometragem do trio; seus membros também respondem pelo Dealers, o Biggs, o Famous Go Go Boy From Alabama, a Bloody Mary Una Chica Band (da guitarrista Sister Mari Trash – oficialmente a primeira one-girl band brasileira, ou seja, a primeira garota a se apresentar sozinha no formato guitarra/bateria/microfone consagrado pelas conhecidas monobandas, até então terreno exclusivo dos bigodudos). O HT é uma usina que transforma lixo em energia, operando em volume máximo.

comentários
  1. Alvaron disse:

    Muito obrigado pelas belas palavras🙂

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s