Posts com Tag ‘U.S.A.’

burnt-skull-sewer-birth_vice_670

01.Harm 2:05
02.No Eyes 2:40
03.Chain Mask 3:24
04.God Hole 1:54
05.Lords Prayer Underwater 1:15
06.Sewer Birth 3:17
07.Abduction (Lost Underground) 1:52
08.No Cross 1:34
09.Infinite Flesh 2:55
10.House of Suffering 3:01

Download / Buy / Facebook

Por Al Schenkel

Sewer Birth é o álbum de estréia do Burnt Skull, duo de noise-rock formado em Austin por Dustin Pilkington (programação, vocais, guitarra) e Anthony Davis (programação, bateria).

Com letras bizarras e sonoridade caótica, o duo entrega em seu primeiro registro − lançado em 19 de janeiro deste ano − 10 faixas que exalam extrema brutalidade e dissonância, trazendo referências também a gêneros como hardcore, sludge e industrial a esta máquina texana de fazer ruídos.

 

Anúncios

 

MI0001564261

01.Driva’ Man 5:10
02.Freedom Day 6:02
03.Triptych: Prayer, Protest, Peace 7:58
04.All Africa 7:57
05.Tears For Johannesburg 9:36

Download 

Por Al Schenkel

Com forte embasamento contra a repressão, o racismo, defendendo o direito de igualdade dos negros nos Estados Unidos e apoiando movimentos como o Civil Rights Movement — exaltado na capa — além de abordar em suas cinco peças referências à Proclamação de Emancipação e os crescentes movimentos de independência africanos da década de 50, “We Insist! Max Roach’s Freedom Now Suite”, uma suite sobre as palavras de Oscar Brown Jr. é um álbum lançado em 1960, via Candid Records pelo baterista e percussionista norte-americano, Max Roach.

Nascido em New Land, Carolina do Norte, em 10 de janeiro de 1924, Roach começou muito cedo a tocar clarim e aos dez anos de idade já tocava bateria em algumas bandas gospel. Aos dezesseis anos substituiu Sonny Greer numa performance com a Duke Ellington Orchestra, o que viria a se tornar sua primeira grande apresentação. O músico mais tarde viria também fazer parte de bandas lideradas pelos gênios Dizzy Gillespie, Charlie Parker, Thelonious Monk, Coleman Hawkins, Bud Powell e Miles Davis. Roach também foi um dos maiores contribuidores para o estilo Hard Bop, com um quinteto composto por Clifford Brown no trompete, Harold Land no saxofone tenor (substituído no ano seguinte por Sonny Rollins), Richie Powell no piano e George Morrow no contrabaixo no ano de 1954.

Misto de críticas positivas devido à ambição da obra e alegações de ser controverso diante de outras, “We Insist! Max Roach’s Freedom Now Suite” flerta diretamente com as raízes da música africana, o free jazz e o Hard Bop, trazendo participações de Abbey Lincoln (esposa de Roach) – vocais; Booker Little – trompete; Julian Priester – trombone; Walter Benton – saxofone tenor; Coleman Hawkins – saxofone tenor; James Schenk – baixo; Michael Olatunji – congas e vocal; Raymond Mantilla – percussão e Tomas du Vall – percussão, em uma das mais sublimes e atemporais obras artísticas/políticas de todos os tempos.

invisible

01.Before The Seventh 2.16
02.Because It’s Not Real Yet 3.01
03.Major Counterpart 2.06
04.Accepting New Forms 2.43
05.Getting Through Accidentals 2.44
06.And If It’s On 3.27
07.Please Redirect 1.19
08.Synthetic Envoy 3.24
09.Weird Summer 2.40
10.New Faculty 5.35
11.Into Engine 2.02
12.Now It’s The 4th 3.25
13.Theta Phase 7.08
14.Spindle Phase 2.31
15.Delta Phase 3.53
16.Home Is The Sun 4.17

Download / Buy / Facebook

Por Al Schenkel

Lançado via Porter Records em 2012, Home Is The Sun é o debut do duo formado pelo baterista/percussionista Jim Sykes (Grooms, Parts and Labor) e o guitarrista/vocalista Mark Shippy (Miracle Condition, U.S. Maple). Sob a alcunha de Invisible Things, Jim e Mark constroem noisescapes altamente ácidas e jams psicodélicas e ruidosas guiados apenas por uma guitarra reverberando como se não houvesse amanhã e uma bateria frenética e baseada em estudos da música do Sri Lanka. Home Is The Sun é um dos grandes álbuns de 2012 que no ano de seu lançamento infelizmente passaram batido. Ouça alto!

R-655646-1367169781-4762

01.”13 I 73 5:35 – 6:14:03 PM NYC” – 39:03
02.”Drift Study 14 VII 73 9:27:27-10:06:41 PM NYC” – 39:14

Download

Por Al Schenkel

Com duas peças nomeadas a partir da data, hora e local da gravação de cada uma, “Dream House 78’17” é uma obra em parceria com a artista Marian Zazeela e com o grupo The Theatre Of Eternal Music, sendo também um dos raros registros de estúdio de La Monte Young.

Discípulo de John Cage, La Monte Thornton Young nasceu em outubro de 1935, no estado de Idaho, e é geralmente reconhecido como o primeiro compositor minimalista. Junto com Steve Reich, Terry Riley e Philip Glass, ele foi um dos principais contribuintes para o surgimento da música minimalista americana, e é especialmente conhecido por seu desenvolvimento da música drone.

Young exerceu uma profunda revolução estética na música contemporânea, tendo seu trabalho inicialmente influenciado por Arnold Schoenberg, Anton Webern, canto gregoriano e indiano, japonês e música indonésia e influenciado artistas e bandas como John Cale e o Velvet Underground, Can, Neu!, Ash Ra Tempel, Faust, Sonic Youth, Spacemen 3, Earth, entre vários outros nomes.

Em 1963 La Monte Young formulou o conceito de Dream House, que definiu como sendo um trabalho artístico executado de forma contínua e que viesse a existir como um organismo vivo, em um espaço permanente de som e luz ambientes onde os habitantes do espaço criassem música 24 horas por dia. Hoje a Dream House existe na Fundação Mela em Nova York, e é aberta ao público.

Leia mais em Scaruffi.

gumball

Por Al Schenkel

Formada na cidade de New York no início dos anos 90 originalmente pelo vocalista e guitarrista Don Fleming (Velvet Monkeys, B.A.L.L., Dim Stars), pelo baixista Eric Vermilion (The Stump Wizards, The Steel Miners) e pelo baterista Jay Spiegel (Velvet Monkeys, B.A.L.L.), o Gumball foi uma banda de rock alternativo que esteve em atividade por um curto período, de 1990 a 1994. Em 1992, um quarto membro foi adicionado, Malcolm Riviera (guitarra, teclados), que já havia trabalhado com Fleming em uma das suas bandas anteriores, o Velvet Monkeys.

Sem atingir a mesma notoriedade e culto que os contemporâneos Dinosaur Jr, Sonic Youth e Pixies alcançaram na década de 90, o Gumball realizou durante sua trajetória três álbuns de estúdio: Special Kiss, seu debut lançado em 1991 pela Paperhouse Records; Super Tasty, de 1993 e Revolution on Ice, de 1994, ambos lançados pela Columbia Records. Sendo este último, devido as baixíssimas vendas o responsável pelo rompimento da gravadora com a banda.

Com a sonoridade fundida entre o pop típico dos Monkees, a simplicidade e agressividade do punk de bandas como The Damned e o noise do Sonic Youth, o Gumball continua a atravessar décadas na obscuridade, mesmo sendo responsáveis por algumas das canções que melhor unificaram e traduziram a junção de guitarras distorcidas, refrões memoráveis e melodias assoviáveis, e tudo sob o mesmo teto, sob o mesmo nome.

Revolution on Ice (1994)

revice 500

01.Revolution On The Rocks 3:05
02.Free Grazin’ 2:37
03.With A Little Rain 4:00
04.Nights On Fire 4:17
05.What’cha Gonna Do? 2:24
06.Breath Away 4:44
07.Gone To The Moon 3:32
08.It Ain’t Nothin’ 3:23
09.Read The News 3:00
10.The Boat Race 2:13
11.Trudge 5:53
12.She’s As Beautiful As A Foot 3:03

Download

Super Tasty (1993)

super

01.Accelerator 3:28
02.Hell Of A Message 2:31
03.Here It Comes Again 2:44
04.Tumbling 3:00
05.Marilyn 3:36
06.The Damage Done 3:19
07.Real Gone Deal 3:00
08.Thunder 3:47
09.Black Payback 3:40
10.No More 3:41
11.Got The Cure 2:26
12.Upsetters Theme Song 4:35

Download

Special Kiss (1991)

gumball424533

01.This Town 1:43
02.All The Time 2:41
03.Window Pain 1:54
04.Wake Up 2:02
05.Summer Days 1:51
06.Yellow Pants 2:55
07.Restless 2:18
08.Gone Too Far 2:06
09.Gettysburg 4:44
10.Alternate Feed 0:57
11.You Know 1:43
12.Pre 2:26
13.High Or Low 3:30
14.Gettysburg (Twister Mix) 4:41

Download

guerilla toss

1.Cash Now 07:17
2.Scary Monster 04:32
3.Drip Decay 04:29
4.Judy Wants Sex on the News 05:30
5.Diluted Fetus Circuit Tycoon 07:28
6.Liz Tattoo 05:09

Download / Facebook / Site / Buy

Junte pitadas de Brainiac, Ponytail, Primus, Melt-Banana e AIDS Wolf  e teremos o Guerilla Toss, banda de Boston que em 21 de maio deste ano lançou seu primeiro full-lenght, um disco de seis faixas auto-intitulado e disponibilizado via Tzadik, selo do mestre John Zorn.

A atmosfera que ronda o disco é completamente caótica e urgente, baseada em improvisações, noise e assinaturas de tempo irregulares guiados pelos vocais ensandecidos de Kassie Carlson. E conforme alguns relatos em blogs de pessoas que tiveram o privilégio de assistir a banda ao vivo, a sensação é de estar presente em um carnaval totalmente esquizofrênico, non-sense e atonal.

Completam a formação além de Kassie, Ian Kovac – sintetizador, Peter Negroponte – bateria, Simon Hanes – baixo e Arian Shafiee – guitarra.

a0924694453_10

01.God Arms the Patriot 02:04
02.Wound Instructions 02:40
03.Milk from Treason 02:48
04.Stringer 03:59
05.Replace Me with Fire 09:09
06.Bruxism 01:26
07.A Parade of Horribles 04:00
08.The Forgiveness Machine 10:56

Facebook / Download

Por Al Schenkel

Oriundos da eterna meca do grunge nos anos 90, Seattle, mas sem emular a sonoridade que popularizou a cidade, o trio de post-hardcore/math/noise/sludge, Great Falls, chega pela primeira vez ao blog para chutar traseiros e estourar tímpanos através de seu mais recente registro. O disco de oito canções lançado em 30 de setembro deste ano via Hell Comes Home Records, chama-se Accidents Grotesque e sucede o até então por mim desconhecido álbum Fonatanelle, de 2011.

Formada por Demian Johnston (Hemingway, Kiss It Goodbye, Playing Enemy), Shane Mehling (Playing Enemy) e Phil Petrocelli (Jesu, Black Noise Cannon), a banda entrega-nos em Accidents Grotesque um trabalho altamente cáustico, intenso, agressivo e dissonante, seguindo a mesma linhagem de bandas contemporâneas como Narrows e KEN Mode, além de carregar também semelhanças aos outros projetos citados aos quais o trio já integrou/integra.

Accidents Grotesque pode ser baixado através da página oficial da Hell Comes Home Records via bancamp e também adquirido em LP em uma edição limitada juntamente com uma t-shirt da banda. O álbum foi produzido por Jeff McNulty, sendo mixado e editado por Phil Petrocelli e masterizado por James Plotkin. A arte é assinada por Demian Johnston.

shipping news 1

Por Al Schenkel

Formado em 1996 por quatro veteranos da cena noise/math/post-rock de Louisville, Kentucky: Jeff Mueller (June of 44, Rodan), Jason Noble, falecido em agosto de 2012 (Rodan, Rachel’s), Kyle Crabtree (Rachel’s) e Todd Cook (The For Carnation), o Shipping News foi um verdadeiro supergrupo da cena underground norte-americana, deixando-nos um grandioso legado dentro da música alternativa mundial até 2010, data de seu último lançamento.

Com três álbuns de estúdio: Save Everything, de 1997; Very Soon, and in Pleasant Company, de 2001 e Flies the Fields, de 2005; duas compilações: Three-Four, reunindo três EPs e lançada em 2003 e One Less Heartless To Fear, um apanhado de registros ao vivo, de 2010; mais um punhado de singles e um split com a banda Metroschifter, lançado em 1998, o quarteto transbordou genialidade nos anos de vida tanto quanto os contemporâneos Slint, Fugazi, Lungfish, Shellac, Unwound, e assim como as bandas citadas, acabaram fadados a obscuridade dos nichos apesar do culto.

Com um sonoridade complexa que varia entre a melancolia e a agressividade em estruturas musicais pouco óbvias, abaixo você poderá conferir e conhecer uma parte da extraordinária discografia da banda, incluindo os três discos de estúdio e as duas compilações que lançaram durante sua carreira.

Shipping News ‎– One Less Heartless To Fear (2010)

R-2537702-1355579808-2491

01.Antebellum 3:07
02.This Is Not An Exit 4:43
03.(Morays Or) Demon 4:19
04.7s 2:57
05.The Delicate 3:30
06.Axons And Dendrites 5:23
07.Half A House 4:35
08.Bad Eve 3:49
09.Do You Remember The Avenues? 3:01

Download

Shipping News ‎– Flies The Fields (2005)

R-442954-1259102528

01.Axons And Dendrites 5:23
02.Louven 5:49
03.(Morays Or) Demon 4:35
04.It’s Not Too Late 4:24
05.Sheets And Cylinders 5:20
06.The Human Face 5:14
07.Untitled W/ Drums 4:06
08.Paper Lanterns (Zero Return) 8:40

Download

Shipping News ‎– Three-Four (2003)

4

01.Sickening Bridge Versus Horrible Bed 3:12
02.Haunted On Foot 5:32
03.Paper Lanterns 8:39
04.Haymaker 3:12
05.Dogs 2:16
06.We Start To Drift 8:17
07.Variegated 3:22
08.You Can’t Hide The Mark Inside 2:46
09.Cock-A-Doodle-Doo 9:11
10.Non-Volant 6:03
11….Diamond Lined Star… 4:05
12.Wax Museum 4:35
23.The Architect In Hell 4:14
14.Everglade 3:22

Download

 

Shipping News ‎– Very Soon, And In Pleasant Company. (2001)

2

01.The March Song 5:44
02.Actual Blood 5:16
03.Simple Halo 3:59
04.Nine Bodies, Nine States 4:50
05.Quiet Victories 8:33
06.Contents Of A Landfill 8:16
07.How To Draw Horses 7:22

Download

Shipping News ‎– Save Everything (1997)

shipp

01.Books On Trains 5:25
02.Steerage 10:53
03.The Photoelectric Effect 4:17
04.All By Electricity 4:28
05.At A Venture 3:57
06.A True Lover’s Knot 10:11

Download

horses

1.Asha 3:11
2.When I Love You (I Love You All The While) 4:59
3.I Used To Live For Music 4:52
4.Boocat Leah 3:29
5.Shining Somewhere (Horses Version) 3:56
6.Passenger Train, Warped By The Rain 3:33
7.Coda Code 3:25
8.I Used To Live For A Thousand Years 2:12
9.Boom! 2:59
10.Long Way Home 4:05

Download / Facebook / Site

Por Al Schenkel

Após um curto período do lançamento de Drones & Clones, disco solo e instrumental lançado em junho deste ano, Adam Franklin — o eterno ex-Swervedriver — retorna a frente do Bolts of Melody com Black Horses, disco de dez faixas lançado em 16 de julho através do selo independente novaiorquino, Goodnight Records.

Black Horses é o segundo álbum de estúdio do Bolts of Melody e traz participações dos músicos Mikey Jones, Charlie Francis, Ilona V, Will Foster, Swaan Miller, Locksley Taylor, Gordon Withers e Cathy Withers, além da produção do próprio Adam Franklin junto a Charlie Francis e da arte assinada por Eric Adrian Lee.

Em seu mais recente trabalho, as guitarras distorcidas típicas e protagonistas presentes em obras máximas como Raise e Mezcal Head dividem espaço com arranjos de violinos, teclados, tambores e trompetes, criando estruturas ricas em detalhes e acrescendo ao shoegaze intervenções que vão do folk ao experimental, passando pelo space-rock na linha de bandas como Spiritualized a influências dos franceses Jean Claude Vannier e Serge Gainsbourg.

Black Horses é uma produção cuidadosa e um marco de transição inspirador na carreira de Franklin, transição esta que aliás todo artista deveria preocupar-se em alçar, para que sua obra não torne-se apenas um subterfúgio ou mera imitação desastrosa de si mesma. 

a0620457660_10

1.Suburban Roulette 01:26
2.Malvert 03:41
3.Ex-Batts 03:12
4.Travolto 01:10
5.Dmtbrigman 05:34
6.Bad Ronald 02:51
7.Becombs 01:59
8.Lohlands 07:38
9.Golden Needles 05:14
10.Horsehead Bookends 08:33

Download / Site

Por Carlos André

Quttinirpaaq não é somente o nome do segundo maior parque nacional do Canadá, situado numa ilha ao extremo norte do país, quase fronteiriça com a Groelândia. Mas também refere-se a um projeto musical oriundo de Austin, TX, e é desse último que iremos tratar agora. Poucas informações circulam pela web2.0 sobre o background desse grupo ou mesmo de seus integrantes, descobri apenas que o líder do projeto atende por Matt Turner. Sonicamente, Quttinirpaaq se dedica a construir massas sonoras de camadas super densas de fuzz e feedback guiadas por uma percurssão mezzo tribal, mezzo industrial, contando ainda com vocais ocasionais que emitem palavras e sussurros indecifráveis, sempre soterrados em meio a esta lama sonora. Cada peça que compõe o trabalho mais recente, No Visitors, viaja por labirintos obtusos do Krautrock, Drone, Dark Ambient, Sludge, Power Electronics e (ufa) Noise Rock, isso quando a demência não assume proporções ainda maiores e não tomam mais de um caminho simultaneamente. Ainda que essa capacidade de orbitar por caminhos diversos acabe prejudicando um pouco o resultado final do álbum, fazendo-o soar heterogêneo demais para alguns ouvidos, talvez, o que temos aqui é um trabalho magnífico de música torta, delirante e sufocante, algo que certamente vai fazer a festa auditiva para admiradores de gente do calibre de Skullflower, Godflesh, Les rallizes Dénudés, Bordeoms, Ufomammut, Can, dentre outros mestres afins.